Pedro Valença lança primeiro álbum solo

Escrito por Camila Torres / Foto: Ellen Lopes em 21 de novembro de 2016

 

 

A igreja do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho, é ponto de encontro de música de boa qualidade. Na noite do último domingo, 20, o músico, cantor e compositor Pedro Valença lançou seu primeiro álbum solo intitulado “Pode Ser”.

Conhecido pelo ministério da música nos grupos Novo Tom e Vocal Livre – o segundo grupo foi idealizado por ele –, o CD é um registro de músicas já conhecidas pelo público em suas apresentações e vídeos no YouTube, mas agora com um estilo diferente. O compositor explica que começou a se apresentar sozinho, somente “voz e violão”. Já no novo trabalho, ele resolveu trazer novidade. “Eu achei que valia para o disco dar uma roupagem nova, que na verdade na minha cabeça já seria a roupagem musical ideal para elas”, ressalta Valença.

O compositor explica que as 11 faixas, todas de sua autoria, não seguem uma linha conceitual. “Tem músicas bem do início da minha estrada como músico até coisas mais recentes. Acredito que esse disco foi um marco da minha fase inicial de composição, um compêndio”, analisa. A música “Teimosia”, faixa número oito, foi gravada em dueto com sua mãe, Jô Valença. “Boa parte da minha compreensão de vida e do que é Deus é graças a ela. Sempre pensei em fazer com minha mãe a comparação do amor de Deus. É umas das músicas mais queridinhas do CD, o pessoal gosta, acha fofo”, observa o cantor.

Durante a apresentação não faltaram agradecimentos para os envolvidos no projeto. Valença agradeceu, primeiramente, a Deus. “Ele que dá sentido pra tudo isso que a gente faz. Se existe música pra ser cantada e tempo para cantar é porque Ele permitiu pela bondade e misericórdia. Se existem assuntos e belezas para serem exploradas é porque Deus é maravilhoso e inspira nossa vida”, afirma.

O maestro Lineu Soares foi um dos homenageados da noite. Como um dos co-produtores do CD, Soares explica que o processo técnico todo envolve desde a gravação de base, de voz e orquestra até a mixagem e masterização. “Esse CD foi produzido muito rápido, porque o Pedro já tinha todo o repertório, já estava maduro. No período de um pouco mais de um mês a gente fez tudo,” conta o maestro. Ele ainda diz que “Pedro é um grande expoente da nova geração e traz a arte com a mensagem de uma forma muito atual, muito coerente com o tempo.”

A co-produtora Regina Mota lembra que era professora de Pedro até o final do ano passado. Formado em Música pelo Unasp-EC, agora ela o enxerga como colega de profissão. “Ele é um músico muito privilegiado com a composição. A músicas são diferentes umas das outras. O fato de ser tudo dele não torna tudo igual”, elogia Regina. Marcel Freire, outro co-produtor da obra, ficou responsável pela parte burocrática do projeto. O resultado o agradou. “Para mim foi muito natural, ele é um dos meus melhores amigos, o considero como meu irmão. Ficou um produto coeso, bem cantado e profundo. Acho que é um ótimo primeiro passo para uma carreira solo”, opina Freire. Para o diretor do Unasp-EC, pastor Paulo Martini, o CD “é um presente para a igreja e para as pessoas que vão ouvir esse trabalho”.

A música “Bonequinha de Pano”, por exemplo, faixa número dez do disco, emociona muitas pessoas. Para a universitária Dienifer Pereira, é a preferida. Ela conta que a canção mostra a fragilidade da vida humana e traz esperança. “Achei demais a letra que fala sobre a fé que ele (Pedro) tinha de que, se fosse da vontade de Deus, a amiga dele seria curada. Mas que se não fosse, tinha um propósito”, explica a estudante.

Teve gente que veio de longe para assistir a programação. Chaily Gonçalves trouxe o filho Ian, de nove anos. A mãe relata que o filho, que tem paralisia cerebral (quadro de tetraplegia mista com comprometimento maior das pernas), ouviu uma das composições de Valença e depois não parou mais de cantar. “O Ian é muito ligado à música. Ele começou a cantar, apesar de toda dificuldade com a fala, e tenta cantar no tom certo”, menciona. Quando Valença, junto ao Novo Tom, se apresentou na cidade deles – Taguatinga, Brasília – formaram uma amizade. “É uma amizade pura entre os dois, cheia de Deus. Ele (Pedro) nos convidou para o lançamento e estamos super felizes de estar aqui”, completa.

O evento contou também com a participação de Alice Zukowski, Esdras Gondin, Marcel Freire e os grupos Novo Tom e Vocal Livre. Para Valença, a sensação de lançar em casa – pois já havia apresentado o trabalho em outros locais –, é muito diferente. “Dá um nervoso, mas a realização é muito grande, porque parece que todo mundo que está aqui no colégio fez parte dessa história”, destaca. O CD pode ser adquirido na Unasp Store e está disponível nas plataformas digitais iTunesGooglePlaySpotifyDeezer e Groove.

Veja mais fotos no Flickr.

 


Todas as notícias

comentários